domingo, fevereiro 12, 2006



Madrugada ainda. Passos pisam indiferentes a calçada. Move-os uma vontade qualquer.
O sol não rompeu. Não há lua nem estrelas.
As árvores despiram-se para o inverno e ainda não tiveram tempo de se vestir. Parecem fantasmas na noite que ainda não se desfez.
Um vento suave solta as últimas folhas, leva-as rua abaixo, para que elas persigam e assustem os passos. Descem apressadas, desenfreadas e maldosas, mas cintilantes, com a luz dos candeeiros acesos à espera do dia que ainda se há-de fazer.
Só param ao pé do Tejo, as folhas misturadas com os passos, umas cansadas outros assustados, onde esperam os «barcos» que os hão-de levar para outros lados...
É sempre assim todos os dias muito cedo naquela rua…

3 comentários:

greentea disse...

linda a tua imagem e a imagem dessa rua com folhas ainda de inverno quando já cheira a primavera e o sol desponta forte durante o dia. os passos têm sons diferentes - de madrugada, de dia ou a meio da noite!

Mendes Ferreira disse...

é seguramente uma "tela"....


beijo.

FOTOESCRITA disse...

Parece realmente um quadro. Muito bonito.
M