terça-feira, fevereiro 28, 2006

Portugal Queirosiano III




... sobre o monte pelado, o Castelo assentava, atarracado, ignobilmente sujo; e a linha muito quebrada de telhados, de esquinas de casas da Mouraria e de Alfama descia com ângulos bruscos até às duas pesadas torres da Sé, de um aspecto abacial e secular.
Depois viam um pedaço de rio, batido da luz: duas velas brancas passavam devagar; e, na outra banda, à base de uma colina baixa que o ar distante azulava, estendia-se a correnteza de casarias de uma povoaçãozinha de um branco de cré luzídio.

(O Primo Bazílio)

1 comentário:

hfm disse...

e isto tudo visto de um balcão privilegiado sobre Lisboa, precisava era de um pouco de limpeza.