quinta-feira, março 16, 2006

Percursos Queirosianos


(Imagem: subida atá ao Largo das Belas Artes e paragem no Grémio Literário)

A pormenorização de certos ambientes, como a descrição das deslocações das personagens através de Lisboa, permitem situar arruamentos e determinar locais capazes de constituírem um roteiro bastante preciso da geografia novelística queirosiana da capital. Desta novelística pode inferir-se uma leitura urbana muito significativa da Lisboa oitocentista finissecular, onde não faltam as referências objectivas às sensações de cor, som, forma, luz, movimento e mesmo aos atributos climáticos.

Eça dá preferência às imagens da paisagem urbana da cidade mais características e de mais específico e forte impacto visual, ou seja, as que constituem símbolos do seu complexo significado social e urbano e lhe dão um sentido de organismo vivo com uma identidade única.

...

Sabendo-se da facilidade com que o romancista desenhava, é de supor que tenha feito, à maneira de Zola, croquis precisos da cidade, como elemento auxiliar de ordenamento romanesco.

(Imagens do Portugal Queirosiano /Campos Matos)

2 comentários:

greentea disse...

já deixei recado em "asmusas" , que divulgam um livro por semana...

Isabel José António disse...

Que belíssima ideia, esta a de percorrer Lisboa com Eça, ou será percorrer Eça por Lisboa?!

Parabéns!

Também adoro Lisboa e, se for ver o nosso blog, irá encontrar muitos "posts" sobre a Cidade Mulher, muitos deles com fotos que foram tiradas em locais semelhantes...

Eu também tive uma enorme paixão pelos livros do Eça, sobretudo na Universidade...

Mais uma vez parabéns!

Isabel