segunda-feira, maio 29, 2006

Ainda pela Rua de São Francisco


(Rua de S. Francisco)


«... de repente (Carlos) achou-se na travessa da Parreirinha, defronte da casa de Maria.
...
E pouco a pouco, aquela fachada muda donde apenas saía, a um canto, uma claridade lânguida de alcova adormecida, foi-o estranhamente penetrando na inquietação e desconfiança. Era um medo dessa penumbra mole que sentia lá dentro, toda cheia de calor e de perfume, em que havia jasmim. Não entrou; seguiu devagar pelo passeio fronteiro, pensando em certos detalhes da casa - o sofá largo e profundo com almofadas de seda, as rendas do toucador, o cortinado branco da cama dela...Depois parou diante de larga barra de claridade que saía do portão do Grémio; e foi para lá maquinalmente, atraído pela simplicidade e segurança daquela entrada, lajeada de pedra, com grossos bicos de gás, sem penumbras e sem perfumes.»

(Os Maias)

3 comentários:

Teresa David disse...

Esta foto fez-me pensar que muitas vezes as pessoas nunca conseguem ver a vida senão através de imagens desfocadas.
Um abraço
Teresa David

FOTOESCRITA disse...

Eu acho que devias mesmo pensar em... ;-)

merdinhas disse...

Flanando pela cidade...