quinta-feira, maio 18, 2006

O Hotel Central



(Hotel Central*)

«... Entravam então no peristilo do Hotel Central - e nesse momento um coupé da Companhia, chegando a largo trote do lado da Rua do Arsenal, veio estacar à porta.
Um esplêndido preto, já grisalho, de casaca e calção, correu logo à portinhola; de dentro um rapaz muito magro, de barba muito negra, passou-lhe para os braços uma deliciosa cadelinha escocesa, de pêlos esguedelhados, finos como seda e cor de prata; depois apeando-se, indolente e poseur, ofereceu a mão a uma senhora alta, loira, com um meio véu muito apertado e muito escuro que realçava o esplendor da sua carnação ebúrnea. Craft e Carlos afastaram-se, ela passou diante deles, com um passo soberano de deusa, maravilhosamente bem feita, deixando atrás de si como uma claridade, um reflexo de cabelos de oiro, e um aroma no ar. Trazia um casaco de veludo branco de Génova, e um momento sobre as lajes do peristilo brilhou o verniz das suas botinas. O rapaz ao lado, esticado num fato de xadrexinho inglês, abria negligentemente um telegrama; o preto seguia com a cadelinha nos braços. E no silêncio a voz de Craft murmurou:
- Très chic.»

(Os Maias)




* Hotel Central, no Cais do Sodré, cenário do encontro de Carlos com Maria Eduarda.

7 comentários:

FOTOESCRITA disse...

Tenho que reler o livro. A culpa é tua... :-)

T. disse...

M.
Vais ficar espantada com as referências que encontras a Lisboa e a Sintra quando releres os Maias.
A primeira vez que li os Maias não me apercebi também de como estes cenários são tão recorrentes nesta obra.
Esta obra desenrolou-se nas ruas de Lisboa que cruzamos todos os dias...ou na Sintra que tanto amamos! O Rossio,o Chiado, a Rua de São Francisco,a Praça Luís de Camões, a Rua do Loreto, o Aterro, a Lapa, a Rua das Janelas Verdes, etc., são algumas das ruas presentes, acrescentado ainda o pormenor do número da porta, sendo fácil às vezes identificar o edifício descrito na obra.
Este Hotel Central, que hoje já não é hotel, tem outros serviços instalados lá, foi descoberto por mim através da descrição encontrada nos Maias e depois com a ajuda de uma fotografia antiga. Mesmo assim, para ter a certeza, o edifício ao lado (que é um pouco visível na fotografia de baixo) deu-me a certeza que eu estava a identificar o edíficio certo.
Passear por estes sítios e fazer estas descobertas tem sido uma delícia para mim, pois gosto muito da Lisboa histórica!
Força para a tua leitura!
E tu que te tens revelado uma excelente fotógrafa, porque não sais por aí com a máquina e nos trazes a tua «leitura» d'Os Maias?
:)

FOTOESCRITA disse...

Agora ainda estou a deliciar-me com o "Sábado"... E tenho que procurar "Os Maias", não sei onde o pus. Eu sei que não se faz isso ao Eça, mas como tive obras cá em casa, ficou tudo virado do avesso.

Teresa David disse...

pois eu só 2a f estarei de novo a sul. Por agora estou no Porto vinda de trás-os-montes, onde tirei imensas fotos de flores, bem como aqui no Porto onde me encontro, e amanhã vou para Amarante. Como tu tb adoro fotografar, e nunca me tinha dado para as flores, mas encontrei algumas fantásticas que te irei mandar por gmail. Já agora informo-te que te linkei no meu blog como uma das minhas derivações. Espero que não te importes.
Um abraço e até Lisboa
Teresa David

Anónimo disse...

Tenho uma foto original (albumina) de 1895 deste Edificio. A firma de navegação James Rawes já se encontrava sediada neste local.
Caso exista interesse ...disponha.
Abraço.
Fco Patrício
fpatricio@ig.com.br

Fred disse...

Cara amiga
Em primeiro luar gostaria de lhe dar os parabéns pela magnífica foto do Hotel. Esse hotel tem um grande significado para mim mas por razões diferentes à sua. Eu sou fã de Júlio Verne e não sei se sabe mas para o ano faz 130 anos que Verne visitou o nosso país. Sabe-se que durante essa visita terá jantado duas vezes neste hotel. Obviamente gostaria muito de o visitar pelo que já me apercebi, infelizmente o edifício já não será hotel mas sim um banco no rés-do-chão. No resto do prédio nao sei o que será.

Na minha página dedicada ao escritor tenho as referidas visita a Portugal e por isso perguntava-lhe se poderei usar a sua foto com os devidos créditos.
Obrigado
Frederico
www.jverneportugal.no.sapo.pt

Teresa Teixeira disse...

Li com imensa curiosidade o seu comentário. Hei-de procurar o seu blog para obter mais informação sobre a passagem de Julio Verne também por este Hotel.
Tenho muito gosto que use a minha fotografia deste Hotel contanto que dê informação da sua autoria (ou do blog).
T.