sábado, agosto 19, 2006



«Durmo e desdurmo.
Do outro lado de mim, lá para trás de onde jazo, o silêncio da casa toca no infinito. Oiço cair o tempo, gota a gota, e nenhuma gota que cai se ouve cair.»

(Livro do Desassossego: Composto por Bernardo Soares, ajudante de guarda-livros na cidade de Lisboa / Fernando Pessoa)

2 comentários:

ROADRUNNER disse...

Depois deste longo interregno, regresso e vejo que continuam as peregrinações literárias. Terminou o Eça, começou o Pessoa, isto promete. Saudações!

Teresa David disse...

que belo recanto para nos escondermos dos desgostos! Ou deixámos por lá e voltar mais leve.
Um abraço
Teresa David