terça-feira, setembro 26, 2006


(Castelo)

«Ah o passado morto que eu trago comigo e nunca esteve senão comigo! As flores da pequena casa de campo e que nunca existiu senão em mim. As hortas, os pomares, o pinhal, da quinta que foi só um meu sonho! As minhas vilegiaturas supostas, os meus passeios por um campo que nunca existiu! As árvores à beira da estrada, os atalhos, as pedras, os camponeses que passam... tudo isto que nunca passou de um sonho, está gravada em minha memória a fazer de dor e eu, que passei horas a sonhá-los, passo horas depois a recordar tê-los sonhado e é, na verdade, saudade que eu tenho, um passado que eu choro, uma vida-real morta que fito, solene no seu caixão.»


(Livro do Desassossego: Composto por Bernardo Soares, ajudante de guarda-livros na cidade de Lisboa / Fernando Pessoa)

8 comentários:

hfm disse...

Continuo no percurso das palavras e das imagens - sempre!

Sandra Figueiras disse...

Olá T.
Realmente encontram-se coisas extraordinárias.
No meu blog fiz um pequeno comentário a 4 livros que li. Surpresa das surpresas, duas pessoas dizeram-me que foram comprar os livros(1 cada um), para lerem nas férias. Nada mau, fiquei muito contente.
Um beijo
Sandra

Sandra Figueiras disse...

Olá T.
Realmente encontram-se coisas extraordinárias.
No meu blog fiz um pequeno comentário a 4 livros que li. Surpresa das surpresas, duas pessoas dizeram-me que foram comprar os livros(1 cada um), para lerem nas férias. Nada mau, fiquei muito contente.
Um beijo
Sandra

bettips disse...

Não é possível que tudo se enquadre tão perfeitamente, sempre, escolha dos textos e fotos! Dá-me uma certa pena pensar que "isto" não se pode tocar, guardar ... Obrigada, é um belíssimo trabalho. Abç

Teresa David disse...

Há mts anos que não vou ao castelo, antes da época das chuvas vou pensar seriamente em revisitá-lo e tb tirar algumas fotos por lá.
Bjs
TD

Paulo Araújo disse...

Que árvore é essa? É de uma dignidade extraordinária. Sem ela até parece que a casa já teria caído.

T. disse...

Ah não sei o nome da árvore! Mas nos próximos dias vou ao Castelo e prometo observar atentamente a árvore...

T. disse...

Ah não sei o nome da árvore! Mas nos próximos dias vou ao Castelo e prometo observar atentamente a árvore...