domingo, outubro 22, 2006



«Quero-te só para sonho», dizem à mulher amada, em versos que lhe não enviam, os que não ousam dizer-lhe nada. Este «quero-te só para sonho» é um verso de um velho poema meu. Registo a memória com um sorriso, e nem o sorriso comento.


(Livro do Desassossego: Composto por Bernardo Soares, ajudante de guarda-livros na cidade de Lisboa / Fernando Pessoa)

6 comentários:

merdinhas disse...

Poemas por enviar.

aldina disse...

Que bonito... tudo!

Até sempre

Isabel Magalhães disse...

até a foto tem algo de onírico...







deixo um abraço.

r. disse...

Bonito passeio pelas palavras e lugares de Fernando Pessoa.

bettips disse...

Palavras e foto translúcidas. Como consegues tudo? Esses conjuntos sonhados... Abç

Ana Louro disse...

Bem bonito. Beijinhos.