segunda-feira, novembro 13, 2006


(Príncipe Real)


«Uns dizem que sem esperança a vida é impossível, outros que com esperança é vazia. Para mim, que hoje não espero nem desespero, ela é um simples quadro externo, que me inclui a mim, e a que assisto como um espectáculo sem enredo, feito só para divertir os olhos - bailado sem nexo, mexer de folhas ao vento, nuvens em que a luz do sol muda de cores, arruamentos antigos, ao acaso, em pontos desconformes da cidade.»


(Livro do Desassossego: Composto por Bernardo Soares, ajudante de guarda-livros na cidade de Lisboa / Fernando Pessoa)






(Jardim Botânico)

5 comentários:

hfm disse...

Apetece ficar por aqui!

bettips disse...

Aqui onde te encontro poesia/imagem/desassossego/
/linguagem/regaço/abraço.

merdinhas disse...

(Desas)sossego aqui...

aldina disse...

A simplicidade das coisas belas dá-me uma esperança cheia de vida!

Até sempre!

Teresa David disse...

Como a imagem do principe real me desperta um nunca acabar de recordações de várias matizes, umas mais negras outras bem coloridas!
Bjs
TD