sexta-feira, fevereiro 16, 2007

Correram cortinas de todas as hipóteses...



Nada me prende a nada.
Quero cinquenta coisas ao mesmo tempo.
Anseio com uma angústia de fome de carne
O que não sei que seja -
Definidamente pelo indefinido...
Durmo irrequieto, e vivo num sonhar irrequieto
De quem dorme irrquieto, metade a sonhar.
Fecharam-me todas as portas abstractas e necessárias.
Correram cortinas de todas as hipóteses que eu poderia ver na rua.
Não há na travessa achada número de porta que me deram
...


(Lisbon revisited / Fernando Pessoa)

1 comentário:

isabel mendes ferreira disse...

pintura.



p u r a !!!!!!!!!!!!