sábado, junho 30, 2007

When the sky conceals itself


8 comentários:

cristais-de-tempo disse...

O céu nunca se esconde! Veste-se de festa, de sono, de sentimento. E veste-se sempre para nós. :)

isabel mendes ferreira disse...

enorme abraço. T.



_____________________.



enorme. enorme. enorme.

Teresa David disse...

este céu é absolutamente fantástico. Se não tivesse tanto branco seria daquelas imagens que eu digo que queria pintar.
Bjs
TD

Bia disse...

Passei e gostei do que vi.Hj não vou citar nada, até pq é preciso alguma inspiração;acho que as suas fotos merecem bem mais do q um'gostei'.Como não gosta de anónimos, passarei a ter um nome(Bia);se bem que isto do nome faz-me lembrar Shakespeare(Romeu e Julieta):'Se a rosa não se chamasse rosa deixaria, só por isso, de ser rosa?'

Teresa Teixeira disse...

«Se a rosa não se chamasse rosa não deixaria de ser rosa», cita bem Shakespeare. E, com efeito, o nome pouco interessa... diz bem! O que interessa é o "nomeado", isto é, o que está por detrás do nome... Percebeu?
Espero bem que sim!

Anónimo disse...

e deixei o teu nome no piano----







!

bia disse...

Será este 'anónimo' agora aparecido o vizinho do 3º andar de Álvaro de Campos? Sim, pq esse tb tem um piano!
Dessa poesia deixo aqui um pedacinho:"Começa a haver meia-noite, e a haver sossego,
por toda a parte das coisas sobrepostas,
os andares vários da acumulação da vida...
Calaram o piano no 3ºandar..
Não oio já passos no segundo andar...
No rés-do-chão o rádio está em silêncio...
Vai tudo dormir...

O/a dono/a do piano pode experimentar acompanhar o poema com 'Nocturnos' de Chopin. Vai ver que resulta!!
Afinal de contas um piano qdo se alia à poesia é bem mais do que um piano. É tb sentimento!?

Anónimo disse...

:)))))))))))))

_____________não sou nada anónima....


boa noite T.


nem assim tão "recente".